MAXTRAVEL 2020 - FUNDOS 01.png
JOAO PESSOA 10.jpg

PONTOS TURÍSTICOS

CENTRO CULTURAL SÃO FRANCISCO

Um dos mais importantes complexos barrocos do país, o conjunto arquitetônico de São Francisco atrai estudiosos e turistas do Brasil e também de outros países. Composta pelo Convento de Santo Antônio e pela Igreja de São Francisco, a obra foi concluída em 1770 e causa impacto pela grandiosidade e pela beleza do acabamento, que inclui talhas em madeira recobertas de ouro e ricas cantarias em pedra com motivos portugueses e orientais. A Paixão de Cristo é contada nos painéis frontais, formados por delicados azulejos brancos e azuis. Totalmente recuperado, o conjunto de São Francisco foi transformado em Centro Cultural, aberto a oficinas e exposições. Para conhecer cada detalhe do rico acervo, situado na parte alta da cidade e tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional

LITORAL SUL

m direção a Pernambuco, no litoral Sul, ficam as praias mais bonitas da Paraíba. Uma delas é Tambaba, o paraíso dos naturistas. Entretanto, o acesso só é permitido àqueles que tiram a roupa por completo. Mas para não desapontar quem chega de tão longe, na primeira parte da praia, que também é encantadora e repleta de pedras, falésias e piscinas naturais, vale o contrário, quer dizer, o proibido é ficar nu. No caminho até Tambaba, duas paradas são obrigatórias: Coqueirinho e Tabatinga, lindas praias com águas mornas e calmas, emolduradas por coqueiros e falésias coloridas. Para quem está sem carro, as dicas são os passeios de bugue, de jipe e de van, com paradas nas praias.

FAROL DO CABO BRANCO

Melhor lugar para apreciar toda a beleza do litoral de João Pessoa, o Farol do Cabo Branco representa o extremo leste do Brasil, indicando a localização da Ponta do Seixas. É ali que o sol nasce primeiro nas Américas. Inaugurado em 1972, a  40 metros acima do nível do mar, tem formas que remetem a um sisal estilizado.

PASSEIO DE BARCO PAR A PISCINAS NATURAIS PICÃOZINHO

A menos de dois quilômetros da costa, em frente à praia de Tambaú, as piscinas naturais de Picãozinho surgem na maré baixa, apresentando formações de corais. Um dos passeios náuticos mais apreciados da região, atrai adultos e crianças que se revezam nos deliciosos mergulhos em meio aos peixes. O tour dura quatro horas e barcos-restaurantes garantem bebidas geladas e petiscos fresquinhos.

PASSEIO DE BARCO PAR A ILHA DE AREIA VERMELHA

uando a maré está baixa, barcos, lanchas e jet-skis seguem em direção à Ilha de Areia Vermelha, acessível a partir da praia de Camboinha, em Cabedelo. O banco formado por areias avermelhadas é cercado por piscinas naturais repletas de peixes. Para lá seguem também os barcos com serviços de bar que servem, entre outros petiscos, o tradicional caranguejo ao coco.

PASSEIO DE BUGUE

Uma maneira diferente de explorar as praias do Norte e do Sul é através de passeios de bugue. Para o Norte, o tour passa pelas praias urbanas da capital, de Cabedelo e de Lucena, sendo possível esticar até à reserva indígena de Barra de Camaratuba. Já para o Sul, o belo passeio segue para o município de Conde, passando pelas praias de Barra do Gramame, Amor, Jacumã, Tabatinga, Coqueirinho e Tambaba. Há paradas para banho e caminhadas. Os veículos circulam pelas estradas - é proibido o tráfego pela areia. O passeio dura o dia todo. 

 

JOÃO PESSOA

Uma das menores e mais antigas capitais do Nordeste, João Pessoa reúne ruas arborizadas, orla preservada pela legislação que limita a altura dos prédios, povo hospitaleiro, belas praias e badalação light.

Os turistas se concentram nas praias urbanas de Tambaú, Manaíra e Cabo Branco, com barracas, bares e restaurantes. As paisagens mais rústicas e bonitas, entretanto, encontram-se no litoral Sul, na direção de Pernambuco. É lá que está Tambaba, o mais consagrado endereço naturista do Brasil.

Já o litoral Norte é point dos surfistas. As águas não são tão claras quanto as do litoral Sul, mas formam excelentes ondas. Quem viaja com crianças deve incluir no roteiro um mergulho nas piscinas naturais de Picãozinho, repletas de peixes coloridos.

Com um rico acervo histórico-arquitetônico, João Pessoa guarda imponentes construções barrocas datadas do século 16. 

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
1/1
shutterstock_795649972-e1550390882768.jp
GASTRONOMIA 2020.png

GASTRONOMIA

Os frutos do mar não ficam de fora de nenhum cardápio em João Pessoa, entretanto, camarões, lulas, polvos e afins têm seus encantos divididos com as delícias da culinária do sertão.  À base de carne-de-sol e de bode, macaxeira, arroz de leite e feijão-de-corda, as receitas típicas são encontradas em restaurantes especializados na cozinha regional. 

 

Na capital paraibana, a pizza encontra uma concorrente à altura: a tapioca, também com sabores doces e salgados. Experimente o quitute na feirinha de Tambaú, que nos fins de semana tem barraquinhas de delícias regionais. O bairro, aliás, juntamente com Manaíra e Cabo Branco, reúne os principais restaurantes da cidade. E não encerre as refeições antes da sobremesa. Além da tradicional rapadura, as opções trazem doces de frutas típicas como caju, cajá, abacaxi, mamão com coco.

 
  • ICON 5
  • ICON 4
  • ICON 2
  • ICON 3
ThinkstockPhotos-179602867.jpg

FILME

Disponível em nosso

canal do youtube

FILME 2020.png
INFORMAÇÕES 2020.png

INFORMAÇÕES

Além das belas praias, João Pessoa guarda ainda um vasto acervo histórico-arquitetônico formado, principalmente, por construções barrocas. A religiosidade de seus colonizadores brindou a capital paraibana com templos monumentais que até hoje impressionam pela beleza e riqueza de detalhes, como o Conjunto de São Francisco, cartão-postal do Centro Histórico. Faróis, fortalezas, teatros e palácios contam histórias e, em algumas delas, o visual descortina belíssimas paisagens. 

 

Uma boa maneira de explorar o Centro Histórico é a partir da Praça João Pessoa, onde estão o prédio do Tribunal da Justiça (1865) e o Palácio da Redenção (1586). Mais adiante, na Praça Pedro Américo, fica o Theatro Santa Roza (1889). Já a Praça D. Adauto reúne as igrejas N.Sra do Carmo e a Capela de Santa Tereza D'Ávila (século. 18), além do Palácio do Bispo. Em frente, o Casarão de Azulejos ostenta fachada em estilo andaluz. Complete com o Centro Cultural São Francisco. 

 

Na chamada Cidade Baixa estão a Casa da Pólvora, a Praça Antenor Navarro e seu casario colonial a imponente Igreja de São Frei e Pedro Gonçalvez (1843) e o antigo Hotel Globo (1929), onde funciona um pequeno museu com mobílias e peças de Art Déco - não deixe de apreciar a vista para o Rio Sanhauá e curtir o pôr do sol do jardim.